28 de jul de 2010

Hoje poderia ser um dia lindo de morrer...

Ali tão sempre perto e não me vendo...
É como um sabiá na janela que pede água e ninguém ouve, ou como o sonho que acabei de ter, que sempre tão racional esquece e não mais vê o outro amor que desperdiça.
Juro que ouvi um anjo ontem que me disse: 
Faça uma loucura, cometa um erro a seu favor!

Ali sinto tua alma...
Sinto e é fácil de gostar, mas disfarçamos com ridículas representações de desprezo, vez por outra.

É como reclamar do racional alheio e assim também ser, tememos. 
Essa é a parte que o anjo já entediado grita: Pare de ser tão incompetente, transpareça!

Que te tateia a pele...
Mãos, fina camada de gente, nosso lençol. É uma certa ousadia querer tocar as mãos do outro, mas ousadia é uma palavra bonita.

Absinto-me de ti...
Aceitemos a condição de pássaros com sede, que em silencio conta ao anjo: Não sei seguir conselhos.
E nossos já exaustos olhos, que esperam transparecer para brilhar, já não vêem amor no caminho que segue. 

Ultimada noite, cegos medrosos e ainda sem comunicação real.
É como um sabiá na janela, que pede água e ninguém ouve.

Imagem por Rosiane Diniz da minha janela :)

2 comentários:

  1. Sensacional!Esses trechos são da música Severina Noite?
    Gostei do seu blog ;)
    Escreve bem!

    ResponderExcluir
  2. Ai, que lindo...E triste.Pior é o disfarce, esse é o que mais dói,pois se vê de longe.
    bjo

    ResponderExcluir